07/07/2014

Resenha: Cidades de Papel - John Green

Oi leitor. Me desculpa por demorado muito para postar, estava sem internet. Obrigado por continuar lendo o blog!

Ano de lançamento: 2013
ISBN: 9788580573749
Páginas: 368
Editora: Intrínseca 
Nota: ★★

Acebei de ler mais um livro do querido de todos os jovens leitores, John Green. Muita gente pergunta para mim se é melhor que A Culpa é das Estrelas e não é melhor. O livro é muito bom, mas não é tão bom quanto A Culpa é das Estrelas. 

O livro é sobre Quintin Jacobsen (Q), um adolescente que esta no ultimo ano do ensino médio e está loucamente apaixonado pela sua vizinha/colega Margo Roth Spielgelman, a mais popular da escola. Os dois são amigos desde de pequenos. Quando os dois tinhão dez anos andando de bicicleta em um parque encontraram um homem morto, Margo fala que os fios do homem estão arrebentados, esse comentário fica marcado na cabeça de Q. Ao passar do tempo os dois vão se distanciando. Alguns anos depois Margo aparece na janela de Q com uma roupa de ninja e a cara pintada de preto convidando ele para ter uma aventura. Ele aceita. 

Margo tinha planejado tudo, se vingar de certas pessoas, invadir lugares. Durante toda essa emoção Margo fala sobre cidade de papel e ele relembra como é bom passar o tempo ao lado de Margo. 

"Eis que é bonita em tudo isso: daqui não vê a poeira a tinta rachada ou sei lá o quê, mas dá para ver o que este lugar é de verdade. Dá para ver o quanto é falso. Não é nem consistente o suficiente para ser feito de plástico. É uma cidade de papel" (pagina 68)
No dia seguinte Margo some, ela sempre faz isso deixando pistas mostrando onde ela está. Ela fica muitos dias sumidos, deixando todos preocupados e Q acha que Margo deixou pistas para ele e começa a investigar. Durante toda esse mistério o leitor investiga junto com Quintin.



Green continua com a escrita leve, com um ótimo ritmo, com algumas partes paradas. O que eu não gostei foi a obsessão do Q pela Margo, me deixou um pouco agoniado. Adorei os personagens, o personagem que eu mais gostei foi o Radar, o melhor amigo de Q. O engraçado é que os pais de Radar tem a segunda maior coleção de papais noéis negros. O final foi muito chato, serio, decepcionante.

O livro ensina muito sobre como vemos as outras pessoas e nunca devemos ver pessoas como um espelho, mas sim como uma janela. O livro é muito reflexivo sobre como vemos as pessoas, e pensar sobre a vida. Acho que o John tem esse estilo de criar um livro sobre a realidade de um jeito divertido sem ficar cansativo e entedioso.

Obrigado por ler, até a próxima!


Siga o Menino Lit e fique ligado

7 comentários:

  1. Estou querendo ler este livro há algum tempo já... Gosto da forma como JG aborda temas sérios sem mistificá-los.

    Abraço,
    http://expressaomodaeliteratura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gosto do estilo John e acho q você vai amar o livro!

      Excluir
  2. Amei esse livro, os personagens são ótimos e eu adoro a Margo e o Q, principalmente por ele nunca ter desistido dela, mesmo ficando bravo com ela as vezes e não a entendendo. Beijoss
    http://chuvacobertaelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também Amei Fe, fiquei bravo com a Margo, mas fiquei com mais raiva do Q.

      Excluir
  3. Aaah quando eu lii esse livro, fiquei tipo "como assim já acabou?" ... O final é bem inesperado deixa com um gostinho de quero mais.

    maisumleitor.wordpress.com/

    ResponderExcluir